IDIOMA

 
 
 

SOCIAL

 
 
 
 
 

Tamanho do texto: A- A+

ETEs

Escolas Técnicas Estaduais de Educação Profissional e Tecnológica


Atribuições da  Diretoria da Escola Técnica Estadual de Educação Profissional e Tecnológica

Art. 38 A Diretoria das ETEs tem como missão gerenciar as escolas técnicas estaduais, de modo a contribuir para a formação cidadã dos discentes, capacitando-os para o mundo do trabalho com ética e empreendedorismo, competindo-lhe:


I - gerenciar o quadro de recursos humanos, os recursos materiais e financeiros para atender todas as atividades a serem desenvolvidas na escola;
II - coordenar, orientar e acompanhar a elaboração das propostas pedagógicas da escola;
III - viabilizar o funcionamento do Conselho Diretor;
IV - coordenar e acompanhar a execução das ações de Educação Profissional Técnica e Tecnológica, estabelecidas pela SECITECI;
V - submeter ao Conselho Fiscal, para exame, a prestação de contas dos recursos financeiros repassados à unidade escolar. 

Conselho Diretor

Art. 39 O Conselho Diretor, instituído pela Lei Complementar nº 375, de 15 de dezembro de 2009, alterada pela Lei Complementar n° 500 de 22 de julho de 2013, integra a estrutura das Escolas Técnicas Estaduais de Educação Profissional e Tecnológica, como organismo deliberativo e consultivo.

Parágrafo único Conforme estabelecido na Lei Complementar nº 500/2013, a composição, atribuições e demais normas de funcionamento deverão ser elencados em Regimento Interno das Escolas. 

Conselho Fiscal

Art. 40 O Conselho Fiscal, parte integrante do Conselho Diretor tem suas atribuições definidas de acordo com a Lei Complementar n° 500, de 22 de julho de 2013.

Parágrafo único A composição, atribuições e demais normas de funcionamento estarão dispostas em Regimento Interno próprio das Escolas. 

Coordenadorias de Desenvolvimento Educacional

Art. 41 As Coordenadorias de Desenvolvimento Educacional das ETEs tem como missão propiciar as condições para formação integral do ser humano, preparando-o para a vida e para o mundo de trabalho, competindo-lhe:
I - orientar a elaboração dos Planos de Cursos tendo como referências as Diretrizes Curriculares para a Educação Profissional de Nível Técnico e Tecnológico e a legislação em vigor, em observância estrita das demandas identificadas;
II - coordenar e acompanhar a implementação do Projeto Pedagógico da Escola e do Regimento Escolar;
III - coordenar e orientar a elaboração de materiais didáticos dos cursos a serem desenvolvidos na Escola;
IV - orientar os professores e alunos quanto à legislação que regula o processo educacional e sobre procedimentos didático-pedagógicos;
V - acompanhar e avaliar a realização do Estágio Profissional Supervisionado e das aulas práticas, em conjunto com a Coordenadoria de Integração Escola e Comunidade;
VI - coordenar a elaboração do calendário e horário escolar, e da carga horária dos professores;
VII - adotar providências decorrentes do acompanhamento, supervisão, avaliação e execução dos planos, programas e projetos curriculares da Escola, propondo, quando for o caso ajustes e reformulações;
VIII - organizar e controlar a execução das atividades técnico pedagógicas desenvolvidas pela Escola;
IX - propor, mediante relatório consubstanciado, a implantação e ou extinção de cursos, apontados pelo estudo de demanda realizado pela Escola e pela Coordenadoria de Avaliação Institucional da SECITECI. 

Gerência de Apoio Pedagógico

Art. 42 A Gerência de Apoio Pedagógico da Escola Técnica Estadual de Educação Profissional e Tecnológica tem como missão propiciar suporte técnico-teórico à Coordenadoria de Desenvolvimento Educacional, contribuir nas atividades de capacitação profissional e orientação didática aos profissionais da educação, competindo-lhe:
I - auxiliar na construção, consecução e execução dos Planos de Cursos;
II - auxiliar na implementação do Projeto Pedagógico e Regimento Escolar;
III - auxiliar na orientação de professores e alunos sobre procedimentos didático-pedagógicos;
IV - acompanhar as atividades de Estágio Profissional Supervisionado e das aulas práticas;
V - elaborar o calendário, o horário escolar e a carga horária dos professores;
VI - acompanhar as ações que possibilitem aos professores e alunos o bom desempenho do processo educacional. 

Coordenadoria de Integração Escola e Comunidade

Art. 43 As Coordenadorias de Integração Escola e Comunidade têm como missão inserir a Escola na vida da comunidade, ampliando os conceitos inerentes à formação cidadã, para a vida e para o mercado de trabalho, competindo-lhe:
I - realizar parceria com órgãos públicos e com a iniciativa privada para promover a inserção da escola na sociedade e a viabilização da oferta de cursos de Educação Profissional Técnica e Tecnológica na região;
II - realizar, de forma constante, pesquisa junto à comunidade para identificação das demandas por cursos de Educação Profissional Técnica e Tecnológica;
III - promover o intercâmbio com as empresas, visando à inserção dos alunos no mercado de trabalho;
IV - desenvolver estratégia para acompanhamento de egressos dos cursos ofertados pela Unidade de Ensino;
V - acompanhar e avaliar a realização do Estágio Profissional Supervisionado e das aulas práticas;
VI - contribuir para o alcance das metas estabelecidas no Planejamento da Escola;
VII - desenvolver estratégia de comunicação com a comunidade e o setor produtivo para retroalimentar o Projeto Político Pedagógico, objetivando a avaliação de resultado das ações nas ETEs.

 


1 – Alta Floresta
2 – Barra do Garças
3 – Diamantino
4 – Rondonópolis
5 – Sinop
6 – Tangará da Serra
7 – Lucas do Rio Verde 
8 – Poxoréo
9 - Cuiabá



Mais sobre este assunto:

Previsão do Tempo

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins: