Pular para o conteúdo
Voltar

Alunos de Escolas Técnicas Estaduais de MT se destacam no desenvolvimento de projetos inovadores

Produções poderão ser alternativas para desafios em vários setores na atualidade.
Seciteci-MT

Os projetos representaram Mato Grosso na 2º Semana Nacional de Educação Profissional e Tecnológica, realizada em Brasília - Foto por: Seciteci-MT
Os projetos representaram Mato Grosso na 2º Semana Nacional de Educação Profissional e Tecnológica, realizada em Brasília
A | A

Adubo feito de resíduos, cápsula biodegradável para uso como inseticida, piso que drena a água da chuva, museu digital de biodiversidade são alguns dos produtos desenvolvidos por alunos e professores de Escolas Técnicas Estaduais de Mato Grosso (ETE), e que representaram Mato Grosso na 2º Semana Nacional de Educação Profissional e Tecnológica, realizada entre os dias 28 de novembro e 4 de dezembro, pelo Ministério da Educação, em Brasília (DF).

No evento nacional, o projeto Cápsula Biodegradável, desenvolvido pela ETE de Tangará da Serra, ganhou o prêmio de 3º lugar da Mostra de Produtos de Inovação Tecnológica. “Ficamos muito honrados em representar nosso Estado. É a educação profissional promovendo ciência para nossa sociedade”, declarou o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Seciteci), Maurício Munhoz.

“Toda essa movimentação e premiação da nossa equipe mostra o quanto a Educação Profissional é importante e se faz presente no nosso Estado, e esses projetos são a materialização da ciência, tecnologia e inovação produzidas nos espaços escolares da educação profissional em Mato Grosso”, acrescentou Pollyana Peron, superintende de Educação Profissional e Superior da Seciteci.

A capsula biodegradável artesanal, com ação bioinseticida e adubo natural, foi desenvolvida pela aluna Keli Diane, da Escola Técnica Estadual de Tangará da Serra, em conjunto com a professora Francilene Fortes. O material é feito por meio do reaproveitamento dos resíduos orgânicos como cascas de laranja, limão, cebola, alho, borra de café, entre outros.

“A nossa invenção visa desenvolver e incentivar o uso de tecnologias sustentáveis que contribuam para fortalecer a agricultura familiar, reduzindo o uso defensivos químicos, fixando o produtor rural no campo e gerando alimentos mais saudáveis”, explicou a aluna.

De acordo com a professora, o uso de inseticida natural pode reduzir as pragas em hortas, e gerar mais renda ao produtor, já que o produto pode ser adquirido com baixo custo por ser feito com resíduos orgânicos. “A sociedade ganha com um produto com menos impacto negativo ao meio ambiente e também para ter acesso a alimentos mais saudáveis”, afirmou Francilene Fortes.

Ser uma alternativa para um dos problemas enfrentados na área de Construção Civil, a impermeabilidade do solo, foi o objetivo da criação do piso que drena a água da chuva. Idealizado por alunos da ETE de Lucas do Rio Verde, com orientação do professor Bruno França da Silva, o produto é feito de material reciclável proveniente dos resíduos da construção civil.

O que seria descartado no lixo, nesse projeto, passa a compor a produção de uma pavimentação em concreto denominada piso drenante voltado para alternativa sustentável.

“Nossa criação é uma opção para problemas relacionados à impermeabilização de grandes centros, que por sua vez ocasiona enchentes. O piso devido às suas características drenantes promove o escoamento das águas da chuva para o solo e do solo para o lençol freático, contribuindo com o ciclo da água”, disse o Professor Bruno Silva.

Outra inovação tecnológica produzida no espaço das ETEs é o adubo feito a partir de resíduos orgânicos com baixo valor econômico, para ser usado na produção de hortaliças. Desenvolvido artesanalmente por alunos da ETE de Poxoréu, sob orientação do professor Edwaldo Dias Bocuti, o produto tem a finalidade de melhorar as condições de fertilidade e os atributos físico-hídricas de Neossolos Quatzarênicos e, consequentemente, elevar a produtividade das hortaliças. O adubo orgânico, se produzido em larga escala, poderá auxiliar os produtores da agricultura familiar, de forma sustentável e econômica.

Conforme a aluna Cinthya Mayra Galvão Barbosa, uma das criadoras do adubo, os pequenos produtores poderão ter maior produtividade com menor custo-benefício. “Isso uma vez que o cultivo agronômico em solos arenosos encarece o sistema de produção por serem caracterizados como solos frágeis, pobres em nutrientes e matéria orgânica, exigindo do produtor maior investimento e cuidados com a sua conservação”.

A coorientadora do projeto relatou que os resultados da pesquisa, conduzida na área experimental da ETE de Poxoréu, mostraram que todas as culturas tiveram bom desenvolvimento quando produzidas em solo arenoso submetido ao adubo, por isso o composto orgânico poderá ser considerado uma inovação tecnológica para o mundo agrícola.

“Outra descoberta considerada relevante na pesquisa foi o potencial alelopático negativo da serragem do cedrinho (Erisma uncinatum), que impediu o bom desenvolvimento das hortaliças. Essa descoberta se tornará, em breve, objeto de pesquisa da ETE/Poxoréu, pois poderá ser usado no controle de plantas invasoras”, apontou a professora Prínscilla Chaves.

O Museu da Biodiversidade do Médio-Norte Mato-grossense (MTbio) é mais um produto inovador produzido pela ETE de Lucas do Rio Verde. O objetivo deste projeto é promover o levantamento de dados científicos da coleção biológica, através do acervo físico e digital de insetos e plantas para estudos acadêmicos e pessoas interessadas em conhecer mais da biodiversidade mato-grossense.

“O MTbio pode contribuir com os setores econômicos, por causa da intensa atividade rural no nosso município. Poderá também ajudar na área educacional, já que muitas pessoas poderão conhecer os insetos e plantas de forma virtual ou presencial”, apontou Iago Batista de Santana, um dos alunos idealizadores do projeto.