Pular para o conteúdo
Voltar

"Epidemias" foi tema principal do encerramento do festival internacional de popularização da ciência

A cantora Angela Custódio fez a abertura do evento e a banda de rock cuiabana The Xomanos o encerramento
Camila Paulino | Seciteci

A professora Eliane Ignotti e o professor Moises Cecconello, falaram sobre epidemias - Foto por: Camila Paulino
A professora Eliane Ignotti e o professor Moises Cecconello, falaram sobre epidemias
A | A

Nesta quinta-feira (10), durante a noite de encerramento da série de encontros virtuais para debater sobre pesquisas e universo científico, o tema principal abordado durante as duas apresentações foi Epidemia. O Pint of Science, realizado pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Seciteci), é maior festival internacional de divulgação científica, um ambiente descontraído.

Os palestrantes que estavam na cervejaria Louvada, falaram virtualmente com a população mato-grossense pelo canal do Youtube e Facebook da Seciteci. Por conta da pandemia, neste ano o evento realizado nos dias 08, 09 e 10 de setembro, foi somente em formato virtual.

Na noite de encerramento do festival, a professora Eliane Ignotti da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) conduziu a primeira live com o tema: Epidemias em tempos de Mudanças Climáticas. Na ocasião ela reforçou o quanto este assunto atual ainda precisa ser mais esclarecido para a população.

“Vivemos um momento delicado, de pressão e de mau entendimento da ciência, então por meio deste evento, podemos trazer mais informações e realmente manter uma comunicação eficiente com todos”, disse.

Durante a segunda palestra da noite, o professor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Moises Cecconello, esclareceu como a matemática e suas variações como estatísticas, gráficos, cálculos e projeções podem colaborar com o controle de epidemias.  Com o tema Matemática e Ciência no estudo e controle de epidemias ele reforçou que a maioria das pesquisas são voltadas à sociedade.

“Este evento é muito importante por duas razões, primeiro para mostrarmos que não estamos ‘isolados’ nas universidades, na verdade estamos sempre disponíveis pra conversar. E segundo, por permitir aos pesquisadores mostrarem seus trabalhos, explicando como as pesquisas e estudos podem impactar positivamente a sociedade, como no meu caso, a matemática em função do controle e combate de epidemias”, falou.

A cantora Angela Custódio fez a abertura do evento e a banda de rock cuiabana The Xomanos o encerramento. Além disso, durante as lives foram sorteadas canecas personalizadas para quem fez o check-in no evento virtual. E ainda brindes foram entregues para quem respondeu mais rápido e corretamente as perguntas dos palestrantes. 

De acordo com a superintendente de Desenvolvimento Cientifico, Tecnológico e de Inovação da Seciteci, Lecticia Figueiredo, a meta de realizar uma ponte entre público e cientistas foi alcançada com sucesso. 

“No encerramento observamos o quanto que a interação social e uma conversa descontraída facilitam o entendimento entre as pessoas e os pesquisadores. Percebemos que a sociedade quer saber mais sobre ciência e os cientistas querem falar mais à sociedade, portanto com certeza o objetivo principal de popularizar a ciência foi atingido”, afirmou. 

Pint of Milk

Este ano, para atrair participação de crianças e adolescentes, o evento teve uma programação especial, o Pint of Milk, visando estimular curiosidades e futuros estudos na área científica. 

Nesta quinta-feira (10) durante a oficina com o tema O céu de Mato Grosso: Uma janela para a Ciência e para o Cosmos, o professor da UFMT, Marcelo Marchiori apresentou muitas curiosidades sobre o céu mato-grossense e suas diversidades. 

Durante a live rolou dinâmicas de perguntas e respostas com entrega de brindes para quem foi mais rápido e certeiro nas respostas.

História do festival

O evento surgiu em 2012, no Reino Unido e chegou ao Brasil em 2015, no estado de São Paulo. Neste ano foi realizado simultaneamente em 10 países, integrando cientistas e a comunidade em geral, que se reúnem para expor estudos e discutir resultados de pesquisas de maneira informal em ambientes descontraídos, como bares, restaurantes e Pubs, proporcionando um canal direto de conversa entre os pesquisadores e a sociedade.

A proposta é divulgar conhecimento científico para o público em geral em mais de 100 cidades do mundo. Os principais países envolvidos são: Brasil, Alemanha, Austrália, Áustria, Canadá, Espanha, França, Irlanda, Itália e Reino Unido. No Brasil, pelo menos outras 73 cidades brasileiras vão realizar o evento.

Em Cuiabá foi realizado pela segunda vez, com a parceria entre a Seciteci, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), Cervejaria Louvada e a agência de publicidade Cria Estúdio.





Editorias