Pular para o conteúdo
Voltar

Maratona de inovação tem início nesta sexta-feira (06)

Global Legal Hackathon 2020: O evento ocorre simultaneamente em mais de 55 cidades localizadas em todos os continentes
Soraya Medeiros | Seciteci

Evento segue até domingo (08.03), no Centro Universitário Várzea Grande (Univag) - Foto por: Vinicius Miranda
Evento segue até domingo (08.03), no Centro Universitário Várzea Grande (Univag)
A | A

Cuiabá recebe, pela primeira vez, o maior acontecimento de competição de inovação e direito do mundo, o Global Legal Hackathon. O evento é realizado pela Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Mato Grosso (OAB), com apoio institucional da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Seciteci) e ocorre entre os dias 06 a 08 de março, a partir das 18h, no Centro Universitário Várzea Grande (Univag).

Durante esses três dias, juristas, empreendedores de startups, designers, programadores, interessados pela tecnologia e inovação desenvolverão sem parar, projetos voltados à melhoria da operação do Direito e a promoção do acesso à justiça.

O advogado Vinicius Miranda, coordenador geral do GLH/MT e presidente da Comissão de Direito para Startups da OAB/MT, explica que o evento traz metodologias poderosas para decretar o fim das velhas ideias e dar o primeiro passo para o desenvolvimento de negócios ágeis e inovadores.

“Iremos utilizar tecnologia e inovação contínua para criar negócios radicalmente bem-sucedidos e transformar a realidade da justiça brasileira, através do acesso à justiça e o aperfeiçoamento do ambiente jurídico público e privado”.

O evento ocorre simultaneamente em mais de 55 cidades localizadas em todos os continentes. O acontecimento reúne, além de maratonistas, investidores, representantes jurídicos das maiores empresas do país, representantes do poder público, universidades, empreendedores de lawtechs e legaltechs, mentores que acompanha em tempo real o lançamento de soluções avançadas no Direito e Tecnologia. Ano passado, essa atividade movimentou mais de seis mil pessoas.

O coordenador do Parque Tecnológico Mato Grosso, Rogério Nunes, relata que a participação dos profissionais em eventos como este é de suma importância. Além de ser uma experiência para o currículo, ainda mais para aqueles que saem com a premiação, o evento é uma oportunidade para trabalhar em equipe, atuar com especialistas e desenvolver a sua capacidade de networking.

"No fim da maratona, você encontra várias soluções tecnológicas. Aproveita todas as ideias que tem potencial de se desenvolver e cria produtos que podem vir a serem utilizados. Queremos que os profissionais de Cuiabá também se tornem referência neste ramo", finaliza.

Etapas 

A primeira rodada da competição ocorrerá em cada uma das cidades-sede ao redor do mundo. No Brasil, teremos 12 cidades realizando a maratona simultaneamente.  A solução vencedora de cada cidade-sede ganhará a chance de participar da final mundial que será em Londres.

O Brasil é o país com o maior número de cidades-sede participando da competição. Nas primeiras edições (2018 e 2019), times brasileiros venceram as primeiras etapas e disputaram a final internacional do Global Legal Hackathon.

Poderão participar como maratonista do GLH, profissionais de quatro categorias: Pessoas com experiência na área jurídica, empreendedores, desenvolvedores e designers. Serão formadas equipes de 3 a 8 participantes, sendo necessária a presença de pelo menos um integrante de cada categoria por equipe.

Além de um final de semana de muita animação, novas amizades e aprendizado, as três equipes vencedoras da primeira rodada, em Cuiabá, receberão uma premiação em dinheiro. O primeiro lugar terá vaga garantida na semifinal do Global Legal Hackathon, em Londres.





Editorias