Pular para o conteúdo
Voltar

Rede MT-NanoAgro fala sobre as pesquisas feitas em Mato Grosso

Hoje a nanotecnologia já estabeleceu vários campos de pesquisa
Soraya Medeiros | Secitec

Rede MT-NanoAgro apresenta pesquisas para equipe da Secitec - Foto por: Soraya Medeiros
Rede MT-NanoAgro apresenta pesquisas para equipe da Secitec
A | A

A equipe da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secitec) recebeu nesta semana os representantes da Rede MT-NanoAgro para conversar sobre as novas pesquisas que estão sendo feitas em Mato Grosso.

A superintendente de Desenvolvimento Cientifico, Tecnológico e de Inovação da Secitec, Lecticia Figueiredo explica que os avanços e as aplicações da nanotecnologia já são uma realidade bem consolidada no Brasil e no mundo. “Ela está presente direta ou indiretamente em nosso cotidiano”.

O professor de Química da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Ailton Terezo, destaca que a Rede MT-NanoAgro busca aproveitar o máximo do potencial do agronegócio mato-grossense, por meio do desenvolvimento e adoção de tecnologias disruptivas, eficientes e sustentáveis para as práticas agrícolas modernas em larga escala e na agricultura familiar.

“O surgimento da nanociência trouxe novo fôlego e lança possibilidades de contribuições significativas para a atividade da agricultura com o mínimo de impacto possível”.

O que é a Nanotecnologia?
(Ailton Terezo/UFMT) A nanotecnologia pode ser definida como a área da ciência e tecnologia que visa à aplicação de materiais nanométricos em novos processos e produtos. Está na vanguarda da inovação. Um material nanométrico é cerca de 50.000 vezes menor que o diâmetro de um fio de cabelo. Assim como a escala em metros, centímetros e milímetros está em várias situações cotidianas, na nanotecnologia a escala de trabalho representa a bilionésima parte do metro, o que equivale a 1 nanômetro. Isto significa que, atualmente podemos manipular diferentes materiais, para as mais diversas aplicações, com controle muito preciso. Isso possibilitará muitos avanços e inúmeras novas descobertas.

Para que serve?
(Ailton Terezo/UFMT) Os materiais nanométricos (ou nanoestruturados) possuem potencial de aplicação em diferentes áreas, não só por sua dimensão de tamanho, mas especialmente por apresentarem propriedades físicas e químicas distintas daquelas características dos mesmos materiais em escala macro e microscópicas. Em função deste potencial, hoje a nanotecnologia já estabeleceu vários campos de pesquisa e desenvolvimento de aplicações como a Nanomedicina, Nanofabricação, Bionanomateriais, Nanotoxicologia, Nanoeletrônica, Nanoagricultura, dentre outras. Dentro destas áreas existem inúmeras aplicações possíveis. Por exemplo, novas drogas têm sido desenvolvidas para tratamento de câncer, baseadas em nanomateriais para liberação controlada no organismo. Este mesmo, princípio está sendo aplicado em pesquisas de novas formulações para liberação controlada de pesticidas e fertilizantes na agricultura.

(Paulo Teodoro/Agicultura Bioativa) A nanotecnologia tem uma infinidade de possibilidades, desde o encapsulamento de minerais e compostos químicos, até a preservação de microrganismos benéficos e específicos para utilização na agricultura.

Qual o poder da nanotecnologia?
(Ailton Terezo/UFMT) O poder é de causar uma nova revolução. Desde a revolução industrial, entre os séculos XVIII e XIX, e a revolução da microeletrônica nas últimas décadas, a sociedade passou por grandes transformações em virtude de importantes descobertas científicas que resultaram em novos materiais, processos e produtos. A descoberta de métodos e instrumentos para controlar a matéria em escala nanométrica colocou a comunidade científica mundial diante da possibilidade desta nova revolução. Se considerarmos apenas a aplicação em eletrônica, como celulares que dobram, televisores curvados, carros movidos a baterias, eu diria que já estamos vivenciando está revolução. Onde poderemos chegar com a nanotecnologia? Só o tempo poderá mostrar.

(Paulo Teodoro/Agicultura Bioativa) Com a nanotecnologia podemos estabilizar materiais que normalmente seriam de difícil metodologia para aplicação na agricultura, assim podemos ter novas moléculas e novos produtos com tecnologia de aplicação convencional. 

O que a Rede MT NanoAgro faz?
(Ailton Terezo/UFMT) O principal objetivo na Rede MT-NanoAgro é formar um grupo de pesquisadores competentes para atuar de forma colaborativa, acelerar a produção de conhecimento e promover o desenvolvimento e a inovação na agricultura por meio de produtos nanotecnológicos, especialmente nanopesticidas e nanofertilizantes.

Qual a importância dela para o Estado?
(Paulo Teodoro/Agicultura Bioativa) A Rede é um caminho de colaboração, interação fundamental para o fortalecimento, à inovação tecnológica e agregação de valor à pauta comercial do estado.

(Rodrigo Pereira/IFMT-São Vicente) As pesquisas em colaboração com a Rede MT-NanoAgro podem contribuir muito para melhorar as atividades da agricultura familiar e em assentamentos do nosso Estado. A obtenção de nanofertilizantes a partir de resíduos e biomassa e os nanopesticidas vão possibilitar aumento de produção, melhoria da qualidade dos produtos e, principalmente, melhorar a qualidade de vida do pequeno produtor, evitando, por exemplo, a exposição excessiva aos pesticidas.

(Evandro Soares da Silva/Vice-Reitor UFMT) A Rede MT-NanoAgro é importante para o Estado, pois envolve um esforço multidisciplinar de pesquisadores das maiores e melhores instituições de ensino e pesquisa de Mato Grosso, UFMT, Unemat e IFMT, que visa contribuir com pesquisa e desenvolvimento em torno de um tema estratégico, que é a Agricultura. Por meio da colaboração entre estas instituições na pesquisa em nanotecnologia para o Agro, promoveremos a formação de recursos humanos qualificados para atuação em termos de inovação e sustentabilidade ambiental.

(Olivan Rabêlo/UFMT) A rede é uma estratégia inovadora porque é constituída por diversos atores interativos no ecossistema da inovação do Estado de Mato Grosso, dentre eles o Escritório de Inovação Tecnológica (EIT) da UFMT que se encarrega, neste contexto, por realizar a Gestão da Inovação, empreendedorismo e Propriedade Intelectual (proteção do conhecimento e invenções geradas na Rede).  O Estado de Mato Grosso ganha com a Rede de Nanotecnologia aplicada ao Agronegócio, pois se abre uma nova fronteira de possibilidades no campo científico, tecnológico e da inovação com novos produtos e serviços que possibilitam aumentar a produtividade e competitividade do agronegócio, principal vocação econômica do Estado, oportunizando o desenvolvimento socioeconômico e ambiental.

Com o que a Rede trabalha?
(Ailton Terezo/UFMT) Os pesquisadores da Rede MT-NanoAgro atuam na pesquisa de novas formulações de nanopesticidas que podem contribuir muito para minimizar a contaminação ambiental ocasionada pelo use excessivo nas lavouras. Outro foco de atuação é na preparação de nanofertilizantes, pois os fertilizantes utilizados atualmente possuem baixíssima eficiência já que uma grande quantidade não é absorvida pelas plantas, são perdidas por evaporação e carregados por água da chuva por exemplo.

Qual o impacto desta tecnologia para MT?
(Ailton Terezo/UFMT) O desenvolvimento de novos produtos com base em nanoformulações poderá mudar o cenário atual no campo, onde a produtividade está relacionada com uso excessivo de agroquímicos. A principal missão da Rede é contribuir para mudar esse paradigma.

(Paulo Teodoro/Agicultura Bioativa) Mato Grosso é conhecido mundialmente pelo Agronegócio, é um grande consumidor de tecnologia ligada ao Agro, com o desenvolvimento de Nanotecnologia poderemos passar a exportar tecnologia e não apenas matéria prima. Agregando Valor a pauta comercial e gerando desenvolvimento tecnológico e econômico.

Que tipos de serviços a Rede oferece?
(Ailton Terezo/UFMT) Oferecemos uma equipe extremamente qualificada e estrutura de laboratórios das mais importantes instituições do estado, para o desenvolvimento de pesquisas visando melhorar a eficiência de insumos agrícolas. Portanto, podemos contribuir para o aumento de produtividade e redução de custos de produção, sempre com compromisso de preservação ambiental.

Quais pesquisas a Rede vem desenvolvendo para Mato Grosso?
(Ailton Terezo/UFMT) Atualmente o principal foco é o estudo dos mecanismos de atuação dos nanopesticidas e nanofertilizantes descritos na literatura científica mundial e o potencial destes para a agricultura no Mato Grosso, especialmente em solos do Cerrado. A compreensão destes mecanismos poderá definir potenciais produtos e investimentos futuros.

(Alessandra Butnariu/Unemat) A compreensão de como os nanopesticidas podem atuar contra diferentes pragas e, também como nanoformulações podem ser usadas para preservar micro-organismos que são inimigos naturais (fungos e bactérias), pode trazer um grande avanço para o controle biológico em importantes culturas no Mato Grosso.

(Paulo Teodoro/Agicultura Bioativa) Temos desenvolvido junto com o departamento de química as pesquisas com Nanocompósitos e Produtos quelatados.

(Fabiano Petter/UFMT-Sinop) Uma característica dos solos do Cerrado é a baixa retenção de nutrientes, Daí a pesquisa com biocarvões e nano biocarvões enriquecidos com nanofetilizantes e pesticidas podem contribuir muito para melhoria e condicionamento destes solos.

Porque buscar parcerias com a Secitec?
(Ailton Terezo/UFMT) A pareceria com a Secitec é fundamental para a implantação e consolidação da Rede MT-NanoAgro, como organismo Estadual de apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico do estado de Mato Grosso.

Para mais informações, podem procurar o professor Ailton Terezo pelo e-mail: mtnanoagro@gmail.com ou acessar o site: www.redemtnanoagro.com.br.





Editorias